LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Do outro lado


Sabe! É engraçado passar o dia olhando para o outro lado.
Imagino ver a minha pessoa na pessoa do vizinho ou qualquer outro que passa pela rua:
Olhando para o outro lado — sou aquele que passa correndo e empoleira na lotação.
— sou o menino que corre atrás da pipa; que joga pelada na rua; que se diverte das brincadeiras diversas.
— Sou a menina bonita da passarela; sou o desejo do moço que a olha e a cobiça.
— Sou o lado distante daquele morro que descamba junto da orla infinita, e logo se ajunta do oriente.
— Sou a imaginação do coração que infla no peito e pulsa a blusa, que empurra o respiro, que chacoalha o botão da casimira; outrora, tinha a beleza lisa… então passo a enxergar pelos brancos mutuados sobre as ondas da pele, Fazem lembrar a antiga casa dos cabelos pretos!
Enfim! Aqui neste reflexo, vejo Deus Criar todas as coisas; vejo Adão e Eva saindo do pó, e no alvorecer se tornando esquecidos. — Concluo: — sou parte daquela maçã; viajo junto do vento envolto na obediência do jardim, outras vezes “sou a própria voz do trovão…”
serpenteando o céu…

É engraçado passar o dia olhando para o outro lado.
Imaginar a própria pessoa na pessoa do vizinho, ou,
Qualquer outro de caminhar alheio.
Olhar o outro lado… é:
 “Ser aquele que corre para pegar o trem e se perde engalfinhado na multidão.”
 “Ser o menino que peleja para empinar a pipa e se entrelaça na goma de vidro moído.”
 “Ser a menina na passarela, e o moço que vem após ela.”
Fico nesta varanda, vejo as nuvens aleatórias que descambam no infinito.
Abaixo os olhos… vêm os botões destoados… dançam no ritmo da respiração.
— É tudo, é nada menos do que ver Deus tirando do pó a costela da humanidade.