LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Vi um super herói

[J.Vitor]

Aqui no topo da Vila Alvorada no sentido descendo para a fonte São Bento, estava atrás d’uma fila de automóveis; na minha frente havia um Uno velho com a parte de trás cortada transformando o automóvel num utilitário inexplicável. Nas laterais da caçamba erguiam-se alguns aramados de varal e vários arranjos para alongar a carroceria. 
O meu carro é simples, sem nenhum opcional; geralmente os vidros ficam meios descidos para evitar ligar o ar e ter que ouvir o barulho da ventoinha; e por esse motivo estava recebendo baforadas de fumaça preta que saía do escapamento do Uno. Além do escapamento esfumaçando, o barulho do motor era ensurdecedor. Porém tive que me manter na traseira naquele percurso  da ladeira, no final ele vergou para a esquerda. A 50 metros começaria outra rua estreita com única mão para subir.
Fiquei torcendo para que o decurso dele fosse seguir reto. Tive que contar com a sorte, visto que no lugar da lanterna havia somente o buraco sem nenhuma lâmpada que pudesse indicar a aventura daquela viagem!
Sorte à parte, (não tive). Ele virou o carro subindo a José Bonifácio. Fiquei indignado! Mas de repente fui acionado por um minuto de consciência, e então tive a ideia de assumir imaginariamente o lugar daquele rapaz, que aos meus olhos, aparentava marginalidade por estar sujo, carrancudo, como se estivesse pronto para uma defesa, ou talvez... pronto para chorar.
Por final ele encostou o carro e eu continuei o meu caminho.
Mas de qualquer forma, eu tinha me transportado para dentro daquele Uno, e a figura de péssima aparência, vestia-me agora num ser completamente fora da sociedade dos homens; pensei comigo: “mortal nenhum vive tal história de estrema miséria!” Cheguei a pensar num custo mínimo de vida no qual um ser humano qualquer venha viver situação tão deplorável.
Não achei saída, chorei dentro da imaginação; e chorando passei a dar a devida grandeza por ter meramente estado do lado de uma criatura que não tem tempo para sentimentalismo! Ele precisava recolher o mais que pudesse das quinquilharias que sobram das casas…
Sem ter a devida atenção, ali estava um herói.  Um herói esperado pela família…