LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Ser poeta


[J. Vitor ]

Ser poeta quando as madrugadas ainda dormiam nuas;
quando a ciência ainda era dedutiva, os gênios eram poucos,
as cidades eram de pedras, os palácios eram rudez,
seus pisos eram lascados na cunha da talhadeira.

 Ser poeta quando a novidade do concreto estava se catalisando nas primeiras formas,
os tijolos eram gigantes, as tintas não se chamavam látex, as cores desbotavam…

Ser poeta quando os rios tinham ainda tinham a sua liberdade sem canos,
sem a inclusão de esgotos e chumbos das fábricas;
os peixes visitavam os córregos, e até as poças iludidas escondiam bagres.
O mar era límpido, o céu era aberto, as estrelas ainda não haviam sidas substituídas pelo Google,
as montanhas não desciam a toas.

Ser poeta há séculos atrás quando a mídia só percorria o seu lugarejo;
(os mensageiros eram homens bem vindos,)
e pombo correio era recebido com lágrimas…

Enfim! Ser poeta sem ter Aurélio,
sem ter dicionários de sinônimos, rimas,
e muito menos um corretor de erros rastreando seu teclado de ouro…

Mais do que enfim!
Ser poeta era viver da natureza crua e sem roupa.
para se fazer poesia o coração precisava ser épico!