LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 27 de março de 2011

Estase de letras


Para recompensar o ausente, vou encaminhar mais pensamentos, vou prosear aleatório. Vou redizer o aparato de estar só, e do distar verbos. Será que estou bem?!
Acredito estar vagando em pensamentos e contido unicamente nos olhos do CPU. Serei Louco? 
Que “som” é este?! Vem lá da sala? 
Horas ouço a televisão ligada, quando não, é o piano no chorinho de meninas. Xícaras tilintam na mesa. Dou pausa; busco o cafezinho, corto a conversa, falo um boleado qualquer e volto alusivo de me achar José Vitor Camões; Drumonnd; Pessoa. Que seja outro, sentado, discorrendo prosas, falando dos passarinhos, dos males vizinhos.
Quando estou lá fora, maquino estar aqui, chegando aqui, percebo o ovo choco sem a desenvoltura do germe, então me resto de queixas, me preencho do menino que gazeteava as aulas.
Faço-me sobradar pouca importância e muito saudosismo; não fui aplicado como o aluno Robson.
Disto tudo, sei estar faltoso. Contudo, tanto faz! 
Este trucidar de palavras é simples… Sou Eu!
Quando estou lá fora, trabalho. Faço rosca na porca, arrebito a chapa, ponho grampo nas juntas. Termino a tudo.
Quando estou cá, perpasso os pensamentos, diluo os proseares, busco palavras borra-botas e delas sou vã filosofo.        
“Aqui”, perdido em terapia: descalço a botina, descanso os calos e rebusco prazeres. É como se não quisesse me perder deles, para tanto inquieto particularidades biográficas.
“lá”, esqueço os doutores; torno o meu sapato, me visto de oficina: sou cabriola, sou a matéria varada de serra e pó que se desprende liberto. 

de J.Vitor