LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Assassino

Sou um assassino.
Aprisionei em mim o hábito do poeta.
A cada instante roubava-lhe uma epopeia, e, de tanto sugar-lhe as ideias, ele veio a desfalecer.
Por demérito e enciumado pelos seus poemas, numa madrugada fria, abri a cadeia dos botões, e expulsei-o.

Pela manhã os patrulheiros do destino, trouxeram-lhe de volta, moribundo, jaz sem inspiração, ficou jogado aos meus pés. Tentei ressuscitá-lo com o Aurélio, dei-lhe doses de verbos e um naco de pronomes, tudo inútil... encontra-se em coma.