LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Sofreguidão

[ J. Vitor ]

Ao acordar espanei a noite dos olhos
Mas não consegui tirar o pó do desejo
Sonolento, bati o pé no assoalho.
Quis fazer cair o presságio cruel.
Nada consegui, objetei uma pergunta:
Escondo a ansiedade?
Desminto o pensamento?
Não, não! — Ainda há princesa no sonho da madrugada
Fiz nova tentativa, dormir. “Esperaria um pouco.”
Mais tarde quem sabe! Ou até que à noite do escuro se enfastiasse e matasse os desejos antes do café da manhã. 
Então continuei adentrado no impasse,
Camuflado na aspereza da coberta e na angustia tacanha.

O pêndulo que adentra o peito agia, gemendo…
Eram compassos estreito, fiz-me ir à janela.
Visualizar o acaso,  por ganância na matina,
Pensei até em coalhar cupidez, despertei.
 Passei a ver fetiche no horizonte,
Longe…! Lá donde o sol se cria!
Foi buscá-lo, tocá-lo, acordei Maria…!