LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Sonho de viver o outro lado



Debruço-me no parapeito e passo dúzias de minutos em relativos olhares, 

foco-me num tanque abaixo da janela. 
Lá, submerso, entro no mundo ornamental, chego ao ponto: supor receber ar por traquéias… Porém, o pulmão saca-me novamente, faz-me expelir e inflar o peito!
Volto à tona, fico somente no beiral do leito, descanso o olhar nas pedras, as águas jorram em suas vozes de cristal, fazem brincarem nos vãos do granito. Os peixes se abeiram dos meus dedos, agradecem o petisco, volteiam o borbulhar da pequena cachoeira.
Perco-me nos minutos, remexo o cotovelo no limiar. Torno a esmiuçar alimento. Antes de serem embebidos, os lebistes e acaras pinoteiam apuando o petisco.
Vejo-me trasladado para este singular lar. Lá! Junto dos peixes, mora o sonho. Quer ele levar-me além das reservas — propor-me um mergulho no mais fundo desejo… fazer emergir os mistérios escondidos. — presentear-me de proezas e com o fato das tantas belezas. “Certo se faz”: distrair-me entre algas e misturar na calda… o sabor exótico.
De veraz!? O que será este outro lado?
Será engodo ou maná sórdido?
Debruçado na janela… vivi o aquário, suplantei o Acará, subjuguei o Lebiste, e, supus capacidade...  Mergulhei fundo.  
De todos os peixes fui o gazeteiro, fiz-me furtar, porém, desconhecia a arte.
Gostava de tinta! — Não tive pincel.
Gostava de livros! — Não os entendiam.
Tanto era poema ou poesia — Não lia.
Gabava apreço por desenhos! — Rabiscos!?  — Pareciam bonitos.
Hoje! Não visito mais o aquário! — Minha aptidão não expressa condição.
Salvo de quando sonho e escrevo uma crônica…

de J.Vitor