LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, 15 de março de 2011

Minha primeira oração


A manhã era de chuva… Olhava pela fresta da porta; os pingos reluziam na transparência colorida, traziam o azul das nuvens… se mesclava dentre o verde das folhas e das muitas flores, dos muitos frutos que nos faziam julgá-los maduros…
A torrencial corria perene!, Descia das telhas, turbilhonava nas calhas.
Nós (os meninos) ficávamos amuados, não era possível que fosse aquilo o dia todo.
Vovó nos prendia: temia os trovões.
Bolinávamos com os chuviscos que desciam rente a porta.
Maria, a menina vizinha ficara presa conosco,
Débi… a nossa cachorrinha estava encurralada no terraço.
Minha irmã mais nova, com medo do temporal, se punha num choramingo.
Todo brinquedo que tínhamos estava molhado no quintal:
       Tínhamos o balanço de corda sisal, papai amarrara em duas galhas. O capinzal era para as tardes secas; (era nosso aquele verde aveludado vestido de folhinhas miúdas,) cobria parte do terreiro; mais adiante arranjos maiores, árvores espalhadas aqui acolá... (Herdades da natureza).

  Na parte de chão duro, furinhos eram feitos para bolinhas de gude, (por hora estavam cobertos, transformados em pocilga)  
         — Como seria bom se a chuva estiasse!  Dizia meu primo injuriado. Um fuá de algazarra… a chuva parou. Gritávamos!
     Eu e meu primo corremos para a pelada, certamente pensávamos em sermos os primeiros. Engano total.  O time já estava formado de zagueiro a goleiro!  Nos restava ficar a espera da Segunda formação.
Pela hora do almoço voltamos para casa... Vovó abeirava o fogão… a mesa vestia-se de louças pobres. Famintos! Derramava no prato o caldo do feijão, por vez vinha na concha uma porção do arroz. Aquela Senhora sentava conosco, e juntos na mesa nos ensinava a agradecer. Uma vez por outra ela delegava quem faria o agradecimento…   
     Virou-se para mim, hoje é tua vez, recomendava… Não precisa muitas palavras, basta que sejas reverente. O coração lhe ditará as falas!
     Nunca mais esqueci aquelas palavras e nem o sentimento da oração que fiz.

Minha mãe passava por crises. Havia momentos de muitas frustrações. Ela ia atrás dos ideais com muita garra. Depois de consegui-los, caia em depressão, era como se estivesse ouvindo uma pergunta: “de que vale o paraíso se você não está comigo”.
Ela se propôs inteiramente a ser mãe e conseguiu. Nós, os filhos éramos filhos, não ao tanto que ela merecia...
Hoje, quase entendo, e descobri que não se pode fazer o máximo, o máximo exige um pouco de retorno, nem que seja mero reconhecimento.
Quando ela estava muito magoada, dizia provérbios tantos, como:
“Tenho vontade de abrir um buraco e me esconder nele”…
Ou, “pudesse eu ser como a avestruz que cava buraco e enterra a cabeça”…
Quando não estava disposta a fazer frases, dava uns bofetões em seu próprio rosto. Depois se recolhia na sua magoa…

de  J.Vitor