LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sábado, 24 de setembro de 2011

Amigos e camaradas


Dentro do tempo está Deus,
e nós ainda estamos nos acontecimentos dos sete dias,
talvez até estejamos no sétimo,
e nos dedos do Criador ainda haja muitos nomes…
nomes dos nossos bisnetos… não sabemos…!
Cada coração que nasce é uma voz,
cada rosa uma novidade!
Tão Simples foi para Deus criar todas as coisas,
tirar do nada a luz;
em seguida abriu a confiança dos espaços,
determinou que a órbita fosse sincera e
que o obedecesse a ordem dos dias… Fácil!!!
Olhou para o Globo das águas,
ditou para o universo a astronomia.
A cada segundo uma geografia acontecia,
o mar se abria,
as ondas quebravam nas praias.
Separou a terra,
fez rugir os animais;
“criou o homem com poder de ler a sua obra Divina.”
de J.Vitor

“Um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia.”



Todas as coisas começaram do nada. A vida Deus a fez do nada; por tudo, a matemática Divina sempre existiu, a física, a quântica, a geografia das coisas, a Astronomia do universo e as demais que virão;.
Nada é novidade… tudo já existia.
Nem ao menos os filhos que temos são novidades, tudo é Apologia de Deus.
Das coisas que vêem não se tira novidades.
Na verdade, a grande novidade é o futuro por vir!!!
Em pequenos gestos, em pequenos sorrisos… nascem os amigos!
Quando plantamos um amigo em alguém ou que ele nasça em nós, é como se houvesse uma caixa, cuja tal história entra para uma pasta.
Seu manuseio é constante; e cada instante amplia-se a animosidade. Por decorrência normal e outras circunstâncias arquivamos esta pasta…
No de correr da vida nos pomos de enxada nas mãos… plantamos e plantamos; e são tantas as sementes que nos interagimos entre elas, cada colheita feita, somos nós… ali estamos ajudando cada gesto daquele sorriso.
Um amigo não se esquece, ele fica guardado em nossa caixa. Se acaso não o encontrarmos mais, não importa, ele sempre fará parte da nossa horta, e por melhor vermos ele estará arquivado numa dispendiosa pasta.


de J.Vitor